23 janeiro, 2007

New 7 Wonders of the World

Está, desde há algum tempo, a decorrer a votação para as Novas 7 Maravilhas do Mundo. De momento restam um total de 21 finalistas, de entre os quais 7 serão eleitos para substituir as Maravilhas originais. A votação pode ser feita via Internet, através do site www.new7wonders.com
As Novas 7 Maravilhas serão anunciadas dia 7 de Julho de 2007.

Registe-se, vote e faça parte da Nova História.

13 janeiro, 2007

Japão, um país desenvolvido?

Todos nós sabemos que o Japão é um dos países mais desenvolvidos, principalmente a nível de inovação tecnológica. Como é então possível, que num país com este nível de desenvolvimento aconteçam coisas desta natureza? http://www.glumbert.com/media/dolphin

Constança V. Santos

09 janeiro, 2007

Optimismo, um projecto para 2007

“Ser optimista não é (…) uma opção. É, antes, uma necessidade absoluta do nosso país, um imperativo do olhar sonhador que temos de aprender a lançar sobre as coisas. Ser optimista é começar por acreditar que o sucesso é a única opção (…)”. Quem o afirma é Carlos Coelho, que, ao longo de 20 anos foi responsável por projectos de marcas em Portugal, como o Multibanco, a Telecel/Vodafone, a Galp Energia, a RTP, etc.

O que constantemente ouvimos nas notícias e no dia-a-dia é que somos um país falhado e que estamos sempre nos últimos lugares dos rankings europeus e mundiais. Apesar da sua veracidade, é importante não esquecer que temos também muitas coisas boas. A questão é que nós, enquanto país, temos que melhorar em diversos aspectos, principalmente na produtividade. Será o optimismo consciente uma ajuda?

É verdade que temos um sistema de educação fraco, uma agricultura pouco desenvolvida, somos um país pobre, temos um crescimento económico que pouco passa de 1%, uma produtividade baixa, etc. Mas também é verdade que, segundo Nicolau Santos, subdirector do Expresso, “temos um dos melhores sistemas de Multibanco a nível mundial, que disponibiliza serviços não acessíveis em Inglaterra, Alemanha ou Estados Unidos”, “temos uma empresa que se prepara para lançar no mercado mundial um medicamento anti-epiléptico de raiz totalmente portuguesa”, “temos uma das mais baixas taxas de mortalidade de recém-nascidos do mundo, melhor que a média europeia”, entre muitos outros.

E agora? Temos coisas boas e coisas más. Mas o que se ouve é que somos muitos maus. Está bem, não somos muito bons. Então vamos melhorar. Como? Não sei. Mas uma de coisa tenho quase a certeza: o optimismo ajuda. Não me refiro ao optimismo que se “deita à sombra da bananeira” porque tudo irá ficar bem. Falo do optimismo que acredita que as coisas vão melhorar, mas que está consciente de que é preciso esforço e trabalho para lá chegar. Se todos formos optimistas conscientes trabalharemos com mais motivação e com um objectivo mais definido. É meio caminho andado para a produtividade aumentar e para um futuro melhor começar a ser visto no horizonte.

Porque não começar a ser um pouco mais optimista e ambicioso? O futuro do nosso país não é muito convincente, o que torna este optimismo um sentimento difícil. Mas porque não fazer um esforço? Não podemos é ficar sentados à espera que, por milagre, tudo melhore. Sei que o optimismo não é a solução, mas julgo ser uma ferramenta importante que nos ajudará a trabalhar para o crescimento económico e pessoal.
Constança Valadão Santos

Free Profile Counter